menu

Delegado da PF, Alexandre Saraiva diz que Zequinha integra ‘bancada de Santanás’

Zequinha Marinho e o ex-ministro Ricardo Salles defendem empresas alvos de operação no Pará, da maior apreensão da história de madeira ilegal no país, e que esta semana a Justiça mandou a PF devolver o produto do crime

Delegado da PF, Alexandre Saraiva diz que Zequinha integra ‘bancada de Santanás’ Alexandre Saraiva não poupa críticas ao senador Zequinha Marinho Notícia do dia 21/01/2022

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - O delegado da Polícia Federal, Alexandre Saraiva, se indignou está semana com a decisão do desembargador do Tribunal Federal Regional da 1ª Região (TRF-1), Ney Bello, que mandou devolver a uma das empresas, alvo da ‘Handroanthus’, a madeira ilegal apreendida na maior operação da história da PF, realizada em dezembro de 2020, no Pará, a pedido do advogado do presidente Jair Bolsonaro (PL), Frederick Wassef.  

 

A época, o então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, saiu em defesa dos madeireiros e criticou a operação da PF, comandada por Saraiva.

 

Nesta quinta-feira (20/1), o delegado da Polícia Federal republicou uma matéria, em sua conta no tuitter, que anunciava a candidatura de Ricardo Salles para o Senado, com as bênçãos de Bolsonaro.

 

Na postagem, o delegado da PF cita o senador pelo Pará, Zequinha Marinho [ e mais três senadores] de integrarem a ‘bancada de Satanás’ e que o grupo, com a entrada de Salles, poderia ganhar um reforço de peso.

 

“Eu avisei que 2022 não ia ser um ano fácil para Amazônia. Como se não bastassem os Senadores Telmario Mota, Mecias de Jesus (RR), Zequinha Marinho do (PA), Jorginho Mello de (SC) etc, agora a bancada de Satanás pode ganhar um importante reforço”, escreveu o delegado da PF, sobre eventual candidatura do ex-ministro do Meio Ambiente ao Senado.

 

Zequinha é pastor da Igreja Assembleia de Deus. O senador é ainda o atual presidente do PL no Pará e é apontado como candidato de Bolsonaro ao governo do Estado.

 

Os parlamentares são conhecidos como apoiadores de empresas madeireiras, mineradoras e de garimpos que promovem a devastação da floresta amazônica. Não foi diferente na maior apreensão de madeira da história do país.

A reportagem não conseguiu contato com o senador.

 

OPERAÇÃO HANDROANTHUS

O advogado do clã Bolsonaro, Frederick Wassef, representa a empresa MDP Transportes, que teve maquinário e madeiras retidas na ‘Operação Handroanthus’ da PF, que apreendeu mais de 131 mil metros cúbicos em toras de madeira na divisa entre os estados do Pará e do Amazonas, em dezembro de 2020. 

 

Naquele ano, Alexandre Saraiva era o superintendente da Polícia Federal do Amazonas, e depois da operação, foi transferido - em retaliação - para a cidade de Volta Redonda, no Rio de Janeiro. Saraiva enviou notícia crime ao STF contra Salles, que provocou o pedido demissão do ministro do cargo.