menu

MPPA abre investigação sobre cor barrenta no Tapajós e chama seis prefeituras para reunião

Promotora Lílian Regina Braga pediu informações ao Ibama, ICMbio, Secretaria do Meio Ambiente do Estado, Secretarias Municipais, ANA e ANM para informar motivos de ‘água barrenta” que já atinge praia de Alter do Chão  

MPPA abre investigação sobre cor barrenta no Tapajós e chama seis prefeituras para reunião Lílian Regina Furtado Braga, promotora de Justiça do Meio Ambiente de Santarém ( divulgação) Notícia do dia 20/01/2022

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) instaurou Notícia de Fato para investigar a denuncia de moradores de Alter do Chão de possível contaminação da bacia Tapajós, provocado por garimpos ilegais localizados na região e que já atingiria a vila balneária em Santarém, com resultados na mudança da coloração da águas do rio.  

  

A investigação é comandada pela promotora de Justiça de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural e Habitação e Urbanismo de Santarém, Lílian Regina Furtado Braga.

 

Além de Alter do Chão, em Santarém, a contaminação já estaria atingindo também o rio Tapajós em Belterra, Aveiro, Jacaracanga, Itaituba e Fordlância.

 

O Centro de Apoio Operacional Ambiental do MPPA, por meio da Coordenadora, Albely Miranda Lobato, vai prestar todo o apoio operacional e institucional para a atuação da promotora no caso e já já agendou reunião de trabalho com as Prefeituras das cidades atingidas, e Órgãos de execução que exercem suas atribuições funcionais na região atingida, para o dia 24 de janeiro, às 10h, no MP.

 

Após esse encontro do grupo de trabalho do MPPA com as Prefeituras, o Centro de Apoio marcará nova reunião com os órgãos ambientais do Estado e do governo federal, a fim de identificar o motivo gerador do desastre ambiental e conter as consequências lesivas ao Rio Tapajós.

 

A Promotoria convidará ainda o médico Erik Leonardo Jennings Simões para as reuniões.

 

O MPPA já encaminhou oficio ao IBAMA, ICMBIO, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS), Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Santarém (SEMMA), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo de Belterra (SEMAT), Agência Nacional das Águas e a Agência Nacional de Mineração, solicitando informações sobre os motivos das águas esverdeadas do rio Tapajós estarem barrentas, na cor do Rio Amazonas.

 

O Portal deAMAZÔNIA denunciou no dia 11 de janeiro a mudança da coloração no Rio Tapajós, em Alter do Chão, com base no monitoramento do leito das águas feito pelo médico Erik Jennings.