menu

Governo do Pará silencia sobre poluição por garimpo em Alter do Chão

Portal deAMAZÔNIA divulgou, no início do mês, denúncia do médico Erik Jennings que águas do Tapajós estavam barrentas e já atingiam o 'caribe amazônico'

Governo do Pará silencia sobre poluição por garimpo em Alter do Chão - Garimpo pode estar poluindo praias de Alter do Chão que já apresentam águas barrentas ( foto: Erik Jennings) Notícia do dia 20/01/2022

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - O governo do Pará demora em adotar medidas que possam investigar a denúncia de moradores de Alter do Chão de que o garimpo está poluindo as praias do distrito da vila balneária em Santarém, cujo resultado já seria a mudança da coloração da água azul enverdeada para a barrenta, semelhante a do Rio Amazonas.

 

O médico Erik Jennings denunciou que a lama e o barro da exploração do garimpo estavam poluindo o rio Tapajós. Ele sobrevoou a região e fez fotos e vídeos para mostrar aos céticos que não se tratava do período da chuva, mas da exploração do garimpo.  

 

No dia 11 de janeiro passado, o Portal deAMAZÔNIA publicou reportagem sobre o tema e tentou falar com o governador Helder Barbalho (MDB), sem êxito.

 

Na manhã de ontem (19), o deAMAZÔNIA voltou a contactar o governo desta vez a secretária de Comunicação Social do Estado, Vera Oliveira, por email e via aplicativo, mas, novamente não obteve retorno.

 

Nesta quarta-feira (19), o Jornal Nacional, da TV Globo, deu destaque ao avanço do garimpo em Alter do Chão, Oeste do Estado. O secretário estadual do Meio Ambiente, Mauro O’de Almeida informou que o governo enviaria uma equipe para sobrevoar a região do Tapajós.  

LEIA TAMBÉM

  1. - Garimpo pode estar poluindo praias de Alter do Chão que já apresentam águas barrentas
  2. - Mineradora do Canadá fecha acordo com prefeito de Itaituba para explorar ouro
  3. - Mineradora do Canadá pode retirar até 100 mil toneladas de ouro, por ano, do Tapajós (PA), segundo The Intercept

 

GARIMPO NO TAPAJÓS

Nos últimos três anos houve um crescimento desenfreado do garimpo no Pará.

 

Em dezembro, o site The Intercept Brasil, apresentou densa reportagem que a empresa canadense Cabral Gold, havia obtido autorização do governo Bolsonaro, mesmo sem licença ambiental, para explorar até 100 mil toneladas de ouro, por ano, na região do Tapajós. É a terceira maior mina de ouro do país.

 

A mineradora canadense está em operação no Distrito de Cuiu Cuiu, em Itaituba, desde 2017, apenas com duas guias fornecidas pela Agência Nacional de Mineração, no ‘projeto boiada’ do ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

 

Ontem (19/1), a mineradora canadense G. Mining Ventures Corp (GMIN) – que comprou a filial brasileira Brazauro Eldorado Gold Corp – para exploração de 100% de uma das maiores minas de ouro do país no Tapajós, região do “Tocantinzinho”,  celebrou um acordo de cooperação técnica com a Prefeitura de Itaituba.

 

O prefeito Valmir Climaco, que também é garimpeiro, gravou um vídeo para informar que o acordo com a canadense vai gerar mais de 1 mil empregos em Itaituba.