menu

'Não somos contra a Vale, e sim, a favor do Pará', diz presidente da CPI, em artigo

Deputados cobram mais investimentos prometidos pela Vale para atender população paraense

'Não somos contra a Vale, e sim, a favor do Pará', diz presidente da CPI, em artigo Eraldo Pimenta, presidente da CPi da Vale Notícia do dia 18/10/2021

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA A Revista Pará+ deste mês de outubro traz em uma de suas páginas o artigo escrito pelo deputado estadual do Pará, Eraldo Pimenta, presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada na Alepa, que investiga as ações da empresa Vale S.A em solo paraense.

 

Na qualidade de presidente da Comissão, Eraldo explica o real motivo da CPI, já considerada um marco no parlamento paraense, uma vez que tem trazido à luz informações até então escondidas ou pouco divulgadas pela empresa: meio-ambiente, sustentabilidade, geração de emprego e renda, pagamento de impostos, são alguns dos temas debatidos através de oitivas, reuniões, visitas e audiências públicas realizadas pelos deputados membros da CPI da Vale.

 

Na publicação, o parlamentar deixa claro que sabe da importância da existência de uma empresa de grande porte como a Vale, mas que ao mesmo tempo precisa olhar com mais cuidado para a terra de onde a matéria-prima de sua produção é extraída. 

 

Leia na íntegra o artigo: "Não somos contra a Vale, e sim, a favor do Pará" publicado na revista Pará+

 

ARTIGO - DEPUTADO ERALDO PIMENTA, PRESIDENTE CPI DA VALE

Não somos contra a Vale, e sim, a favor do Pará

 

Desde o dia 26 de maio, quando foram abertos oficialmente os trabalhos da CPI da Vale na Alepa é incansável e incessante os esforços de cada um dos membros dessa Comissão Parlamentar de Inquérito em trazer à luz o que até hoje está obscuro, escondido em uma rede que muitos prejuízos traz ao Pará.

 

A empresa mineradora Vale S.A. é considerada uma das maiores e mais lucrativas empresas do mundo com negócios e subsidiárias ao redor do globo. Uma multinacional com capital e lucros maiores, sem exagero, que o próprio Estado do Pará, de onde retira a grande maioria da matéria-prima para sua produção.

 

Enquanto esses lucros só aumentam, uma gama de problemas sociais vêm se somando no território paraense, onde além dos buracos das minas ficam o desemprego, o subemprego e o não pagamento de impostos e investimentos que são levados para outros estados deixando o Pará à míngua.

 

Após a abertura da CPI e a constatação de tudo que o Pará tem perdido com a exploração desleal de seus recursos, a CPI da Vale na Alepa já realizou audiências públicas, oitivas e visitas no sentido de ter explicações para esses fatos que saltam as nossas vistas e que até então parecia que ninguém se atentava em enxergar.

 

Lutar contra uma gigante capaz de contratar famosos e caros advogados de todo o País não é tarefa das mais fáceis, uma vez que receosa e ciente das mazelas que causa sabe como e por onde se defender.

 

O que a CPI da Vale na Assembleia Legislativa do Estado busca hoje não são só respostas, mas ações concretas que possam mudar a direção de uma roda que gira em nosso desfavor, a exemplo do que podemos constatar em visita recente à Siderúrgica de Pecém, no Ceará, onde cerca de cinco mil empregos diretos foram criados, com investimentos que ultrapassam a faixa dos R$ 6 bilhões.

 

A pergunta que fica no ar, e que esperamos uma resposta para a sociedade, seja da Vale ou demais autoridades, é o porque isso tudo não ocorre aqui, de onde tanto é explorado?

 

Eu, Eraldo Pimenta, na qualidade de presidente desta Comissão Parlamentar de Inquérito e ao lado dos meus companheiros de jornada, Deputados Carlos Bordalo (vice-presidente), Igor Normando (relator) e demais membros, Cilene Couto, Eliel Faustino, Miro Sanova e Ozório Juvenil, estamos diariamente empenhados em trabalhar e esclarecer que não somos contrários a existência dessa grande empresa em solo paraense, mas a favor do Pará que há muito tem sido usurpado em seus recursos naturais em desfavor de sua população que tanto almeja dias melhores, muitas vezes prometidos pela Vale S.A.