menu

Comissão Externa de Barragens da ALEPA vai visitar reservatórios em Oriximiná e Barcarena

Presidente da Comissão, deputada Marinor Brito estará acompanhando os deputados federais membros da Comissão da Câmara Federal para vistoria

Comissão Externa de Barragens da ALEPA vai visitar reservatórios em Oriximiná e Barcarena Bacias da Alunorte, em Barcarena, foram instaladas em área florestal e às proximidades de comunidades (Foto: Akira Onuma/O Liberal) Notícia do dia 28/03/2019

DEAMAZÔNIA BELÉM, PA - A deputada estadual Marinor Brito, presidente da Comissão Externa da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), instalada para fiscalizar e vistoriar as barragens e reservatórios instalados no estado, fará uma visita técnica nesta sexta-feira (29/3), a partir das 10h, nas barragens de Água Fria e A1, em Oriximiná. Já no sábado, dia 30, pela manhã, a visita será nas barragens da Hydro/Alunorte, em Barcarena.

 

A presidente da Comissão do Pará estará acompanhando os deputados federais membros da Comissão da Câmara Federal, destinada à análise e fiscalização das barragens existentes no Brasil. Em especial, as investigações relacionadas ao rompimento de Brumadinho-MG.

 

Estão confirmadas as presenças dos  deputados federais do Pará: Elcione Barbalho (MDB); Edmilson Rodrigues (PSOL); e Junior Ferrari (PSD), autor do requerimento que aprovou o deslocamento da Comissão ao Pará. O coordenador da comissão externa da Câmara sobre Brumadinho é o deputado Zé Silva (SD-MG), e o relator, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

 

Em Oriximiná, os deputados vão visitar duas das 24 barragens da Mineração Rio do Norte (MRN). São as barragens Água Fria — em operação desde 1996, e A1 — em operação desde 1979. Há cerca de 430 metros destas duas barragens, existe o Quilombo Boa Vista Trombetas, que conta com 150 famílias, e está localizado às margens do rio Trombetas, no Oeste do Pará.

 

As famílias temem pelo risco de ruptura destas duas barragens de minérios, com medo de uma tragédia semelhante à que ocorreu em Mariana, em 2015, e em Brumadinho, ocorrida dia 25 deste mês, ambas em Minas Gerais.

 

Em Barcarena, os deputados irão visitar as dependências da Hydro Alunorte, que contêm duas barragens. Uma das bacias da Hydro, a DRS-2, preocupa o geólogo Marcelo Moreno, professor mestre da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra). Ele considera essa barragem como uma das mais perigosas.

 

Primeiro pelo material contido, que é altamente tóxico: soda cáustica e arsênio. Segundo, pelo tamanho- superior a 100 hectares- que em caso de rompimento, poderia afetar uma área de grande extensão.