menu

MPPA pede informações a Prefeitura sobre triatlo organizado por juiz em Alter do Chão 

Prefeitura de Santarém entrou em contradição sobre qual órgão municipal autorizou evento esportivo de domingo (4), que gerou aglomeração de pessoas

MPPA pede informações a Prefeitura sobre triatlo organizado por juiz em Alter do Chão  Triatlo com mais de 20 participantes foi realizado no domingo (4) Notícia do dia 07/04/2021

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - A Promotoria de Justiça de Santarém instaurou, no dia 5 de abril, Notícia de Fato relacionada ao triatlo nacional, denominado “2º Desafio Zéfiro – 70 km”, ocorrido na vila balneária de Alter do Chão, no domingo passado, 4 de abril. O evento esportivo reuniu mais de 120 participantes e provocou aglomeração de pessoas no momento mais crítico da pandemia em Santarém.

 

Inicialmente, o MPPA oficiou à Divisão de Vigilância Sanitária, ao Comitê de Gestão de Crise de Santarém, Secretaria Municipal de Saúde, a Procuradoria do Município e ao prefeito Nélio Aguiar (DEM), solicitando  documentos, esclarecimentos e justificativas técnicas sobre a liberação do evento, bem como se houve  presença da fiscalização sanitária no local, e quais as providências adotadas visando apurar, nas esferas cível, administrativa e criminal, a conduta dos organizadores/participantes, com encaminhamento da documentação comprobatória.

 

A prova foi organizada pelo juiz Alexandre Rizzi, o mesmo magistrado que ganhou visibilidade ao prender brigadistas por uma falsa acusação de que eles haviam ateado fogo na floresta de Alter do Chão, em novembro de 2019. O caso foi destaque nacional nos site do Portal Uol e Revista Istoé

 

No mesmo dia da competição, viralizou fotos de aglomeração de pessoas no evento e a Prefeitura entrou em contradição sobre quem teria autorizado a liberação do triatlo organizado pelo juiz.

 

Uma sindicância municipal foi instaurada, após a prefeitura informar que o Comitê de Crise da Covid liberar a realização do triatlo e, depois, devido a repercussão negativa dizer que a decisão foi unilateral da Vigilância em Saúde.  

 

Na terça-feira (6), o vereador Biga Kalahare e 42 entidades e movimentos sociais pediram ao MPPA investigação rigorosa e punição dos envolvidos.

 

O documento protocolado expressa a indignação contra o evento e cita o mês de Março como o mais letal de toda a pandemia no município , com o trágico Record de 183 mortes registradas pela covid-19..  

 

O Ministério Público informou que somente ao final das apurações será informado sobre os encaminhamentos a serem tomados.