menu

Fogo em Alter ‘foi para vender lotes e tem policial por trás’, diz prefeito de Santarém, em áudio

Áudio entre prefeito e governador coloca em xeque investigações da Polícia Civil do Pará, em Santarém

Fogo em Alter ‘foi para vender lotes e tem policial por trás’, diz prefeito de Santarém, em áudio Prefeito Nélio Aguiar e governador Helder Barbalho, durante evento em Santarém ( Marco Santos) Notícia do dia 01/12/2019

DEAMAZÔNIA SANTARÉM, PA - Em áudio inédito obtido pela Repórter Brasil, em matéria assinada pelo jornalista Maurício Angelo, o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar (DEM), afirma ao governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), que o incêndio em Alter do Chão, ocorrido no mês de setembro, foi causado por “gente tocando fogo para depois fazer loteamento, vender terreno” e que essas pessoas contam com o apoio de policiais. 

 

Ainda de acordo coma reportagem, a gravação indica que governador e prefeito tinham conhecimento de que a região da Capadócia era de extremo perigo porque vivia dominada por invasores. O incêndio durou quatro dias. 

 

No áudio, Nélio Aguiar pede ao governador reforço da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para uma intervenção mais eficaz na área. Para o prefeito a polícia da proteção aos grileiros. “Tem policial por trás, o povo lá anda armado”.

 

O áudio enviado pelo prefeito ao governador Helder ocorreu, no dia 15 de setembro, no mesmo dia do incêndio criminoso na região turística de Alter do Chão, em Área de Proteção Ambiental.

 

A troca de diálogo entre Helder e Aguiar aumentam as suspeitas sobre o inquérito conduzido pela Polícia Civil do Pará, que prendeu na última terça-feira (26) quatro voluntários da Brigada de Incêndio Florestal de Alter do Chão, acusados de terem iniciado o fogo.

 

A investigação da PC contraria outra linha de apuração do MPF que aponta ação de grileiros nas queimdas interessados em vender lotes, e descarta envolvimento dos brigadistas.

 

Para o Repórter Brasil prefeito e governador confirmaram a autenticidade do áudio.

 

"Governador, bom dia. A Sema (Secretária Municipal de Meio Ambiente) municipal já tá envolvida, mas essa área é uma área de invasores, [ininteligível] Tem policial por trás, o povo lá anda armado, o bombeiro só tá com a brigada, o bombeiro não tá indo lá, já falei pro Coronel Tito que precisa ir o bombeiro e combater o fogo, logo, imediatamente, tá muito seco, muito sol e a Polícia Militar, a companhia ambiental, tem que ir junto, armada, para identificar esses criminosos, isso é gente tocando fogo para depois querer fazer loteamento, vender terreno, prender uns líderes desses, esses criminosos aí e acabar com essa situação, mas a gente precisa de apoio do Corpo de Bombeiros?", diz a transcriação da fala do prefeito de Santarém. 

 

O governador Helder Barbalho mandou substituir o delegado que prendeu os ambientalistas. A Justiça também mandou soltar os quatro brigadistas presos. Eles atuam em Ongs que combatem o desmatamento da Amazônia e travam constante lutar contra grileiros.

 

Ouça o áudio e leia a íntegra da reportagem na página da Repórter Brasil.